Política Ambiental da AEP PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

 

Como movimento educativo de juventude, que tem no contacto com a Natureza uma característica fundamental, os

Escoteiros de Portugal estabelecem uma política apoiada, em particular, nos seguintes princípios:

 

Princípio 1 – Formação de jovens para o Desenvolvimento Sustentável
Os Escoteiros de Portugal adoptam como um desígnio central do seu programa educativo a formação para o Desenvolvimento Sustentável, transmitindo aos jovens a importância de conciliar o desenvolvimento económico com o bem-estar social e a preservação dos recursos naturais para as gerações futuras.

 

Princípio 2 – Sensibilização da sociedade para o Desenvolvimento Sustentável
Para além da formação dos seus associados, os Escoteiros de Portugal actuam como meio de sensibilização da sociedade no sentido de um Desenvolvimento Sustentável, através da participação em campanhas e da divulgação das suas actividades de cariz ambiental.

 

Princípio 3 – Minimização de impactes ambientais e prevenção da poluição
A utilização de espaços naturais, naturalizados, rurais ou urbanos para a realização de actividades escotistas será sempre efectuada tendo em vista a minimização da afectação desses espaços, com atenção à adequada utilização de recursos e à correcta gestão de resíduos e águas residuais devidos à presença de Escoteiros.

 

Princípio 4 – Conservação da Natureza
Os Escoteiros de Portugal utilizam o contacto sustentável com a Natureza, através das actividades ao ar livre, como forma de aproximação dos jovens ao meio natural, no sentido da sua compreensão e respeito, e promovem ou participam em acções e campanhas de Conservação da Natureza.

 

Princípio 5 – Articulação com entidades estatais ou Organizações Não Governamentais
Os Escoteiros de Portugal intervêm, por sua iniciativa ou em articulação com entidades estatais ou Organizações Não Governamentais, na resolução de problemas de cariz ambiental.

 

Princípio 6 – Conformidade com a legislação
Os Escoteiros de Portugal comprometem-se a cumprir a legislação ambiental vigente, nomeadamente no que se refere à utilização de recursos e ao ordenamento do território, colaborando na detecção de situações não regulares através da sua comunicação às autoridades competentes.

 

Princípio 7 – Gestão Ambiental
A Chefia Nacional dos Escoteiros de Portugal tem como responsabilidade divulgar e disponibilizar, dentro da sua estrutura organizativa, informação, princípios e procedimentos relacionados com questões ambientais, por forma a permitir uma gestão ambiental uniforme e correcta de todas as actividades desenvolvidas pela associação, desde o nível nacional até ao nível dos grupos que a compõem.

 

Princípio 8 – Melhoria Contínua
Tendo em vista a melhoria contínua do desempenho ambiental das suas actividades e associados, os Escoteiros de Portugal recorrem à formação contínua, à detecção e correcção de anomalias, ao estudo de novas soluções, à divulgação nacional de boas práticas implementadas localmente e à revisão periódica da política agora definida.

 

 

documento oficial - Política Ambiental da AEP (2005)