Cerimónias de Patrulha PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

Texto adaptado de Manual do Curso Regional de Guias 2004 - AEP Região de Lisboa
 
A identidade de uma patrulha é construída de muitas coisas entre as quais as cerimónias de patrulha. São momentos criados pela Patrulha, vividos em conjunto com todos os elementos, que podem ou não ser conhecidos pelos outros membros da Tribo e/ou do Grupo.
Fortalecem o espírito da patrulha e é papel do Guia e Subguia preparar estas cerimónias. 
 
O que se deve ter em conta quando se prepara uma cerimónia: 
 
Objectivo
 
Todas as cerimónias ou rituais de patrulha servem um propósito. 
Quando quiseres criar uma nova cerimónia para a tua patrulha a primeira coisa a pensar é: para que é que vai servir. Ex: para festejar o compromisso de um elemento, para iniciar uma reunião de patrulha, para a despedida de um elemento, investir um elemento num cargo, etc.
 
Depois de saberes para que vai servir a nova cerimónia deves então escolher: 
  • Local;
  • Altura do dia; 
  • Traje/pinturas; 
  • O que é que se vai dizer / fazer; 
  • Características que deve ter: curta ou longa, séria ou divertida, secreta ou para mostrar, surpresa ou dada a conhecer;
  • Material necessário.

Que cerimónias de patrulha existem? 
 
A única cerimónia estipulada como responsabilidade de uma patrulha ou melhor, do guia da patrulha é a investidura de um elemento no seu cargo. A partir daí só tens de pôr a tua a cabeça a pensar e dar largas à tua imaginação. Cada patrulha é única e aquilo que parece ser lógico para uma pode não ser para outra. Mas o exagero não serve ninguém. A patrulha deve ter 3 ou 4 cerimónias ou rituais específicos, que sejam especiais, senão tornar-se-ão uma banalidade e perderão o impacto. 
 
Aqui ficam alguns exemplos: 
  • Recepção de um elemento novo na patrulha; 
  • Celebração da 1 a noite em campo de um elemento;
  • Investidura de cargo;
  • Alvorada;
  • Finalização de 2ª ou 3ª etapa; 
  • Festejar uma refeição;
  • Despedida de um elemento.