Origem da Flor-de-Lis no Escotismo PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Flor-de-lis apontando o Norte
O desenho estilizado da flor-de-lis remonta a tempos muito antigos, pois não só a nobreza o usava como motivo ornamental nos brasões de armas, como os primeiros navegadores o inseriram nas cartas marítimas, onde a pétala central apontava o Norte.
Baden-Powell achou interessante o desenho da flor-de-lis e escolheu-o para emblema dos escoteiros, talvez porque entendesse que aquele símbolo traduzia o ideal dos jovens: nobreza de carácter e espírito de aventura.
Em 1924, Baden-Powell escreveu um artigo pouco conhecido, provavelmente editado na revista The Scout:
“O emblema é uma flor-de-lis, símbolo de paz e pureza. A história da flor-de-lis enquanto emblema remonta a muitos séculos atrás, senão mesmo milhares de anos. Na Índia antiga, simbolizava a vida e a ressurreição, enquanto que no Egipto era um atributo do deus Horus, cerca de 2000 anos AC.
Alguns anos atrás, enquanto era ajudante de campo no meu Regimento, descobri que alguns jovens recrutas eram pouco melhores do que rapazes meio educados. Após alguns anos, quando comandava um esquadrão de cavalaria na Irlanda, treinava os meus homens a serem exploradores, para além dos seus deveres ordinários de combater nas fileiras. Ensinei-os a encontrar o seu caminho através de territórios desconhecidos lendo e desenhando mapas e redigindo relatórios daquilo que tinham visto, cada homem por si, de noite e de dia; a atravessar rios com os seus cavalos, cozinhar a sua comida, seguir rastos e a manterem-se camuflados enquanto observavam o inimigo. Pensei que algum mérito lhes era devido e consegui autorização do Departamento de Guerra para conceder a cada homem que se qualificasse como explorador, um emblema que o distinguisse.
Escolhi a flor-de-lis, que apontava no norte nas bússolas, pois, tal como o compasso, estes exploradores podiam mostrar o caminho certo para atravessar um território desconhecido.
Quando os Escoteiros começaram, anos mais tarde, usei o mesmo emblema para eles, pois, tal como nos exploradores militares, que através do desenvolvimento do seu sentido de dever e hombridade podiam prestar uma ajuda valiosa ao exército, assim os Escoteiros podiam prestar um igualmente valioso serviço ao seu país.
O actual significado que se deve ler da flor-de-lis é que aponta na direcção certa e para cima, não virando nem à esquerda nem à direita, uma vez que estes caminhos poderiam levar de novo para trás. As estrelas nas pétalas também podem ser interpretadas como indicação de caminho a evitar, embora o seu significado mais conhecido seja o dos dois olhos do Lobito que se abriram antes de se tornar Escoteiro, quando obteve a sua insígnia de 1ª classe ou a 2ª estrela.
As três pétalas da flor-de-lis relembram ao Escoteiro os três artigos da sua Promessa.”